Iconografia da economia nas notas bancárias da América Central e do Sul

As notas bancárias são mais do que apenas dinheiro. Como instrumento de comunicação em massa, as notas bancárias também transmitiam sempre uma mensagem através da sua iconografia. Quando um Estado emite as suas próprias notas bancárias e nelas exibe o seu brasão está a afirmar a sua soberania – e não apenas em questões de política económica. A emissão da sua própria moeda revestia-se, portanto, de uma enorme importância para as recém-criadas nações da América Latina do início do séc. XIX, como meio de afirmação da sua identidade nacional.

Com a crescente complexidade na elaboração do papel-moeda, também na América Central e do Sul surgiu a vontade de integrar um maior número de elementos de identificação nacional no conjunto de imagens utilizadas para as notas bancárias. Na América Latina, era frequente as notas bancárias representarem cenas da vida económica, servindo, assim, de "cartão de visita" do país emissor. Era com grande orgulho que ostentavam nas notas bancárias setores económicos florescentes – sobretudo, o setor dominante das exportações. Estes motivos não só serviam para propagandear todas estas economias em crescimento, mas também para comprovar que estas nações estavam à altura das nações modernas e desenvolvidas da Europa Ocidental e da América do Norte. No entanto, nestas nações, as afirmações nem sempre correspondiam à verdade, como poderá ler nos capítulos introdutórios desta exposição sobre a história da economia da América Latina.

A exposição conta com notas bancárias da América Central e do Sul de meados do séc. XIX até ao final da Segunda Guerra Mundial. A seleção dos objetos está deliberadamente focada nos grandes desenvolvimentos e ramos económicos da América Latina e demonstra a grande variedade de figuras presentes nas notas bancárias daquele período.

Sobre a exposição

Bibliografia